Historia

George Stinney: O mais jovem condenado à pena de morte nos Estados Unidos

14:16

George Stinney foi a pessoa mais jovem até hoje a ser condenada à pena de morte nos Estados Unidos, tudo isso aconteceu na Carolina do Sul em 1944 quando ele tinha apenas 14 anos de idade. Vamos conhecer mais sobre esta triste história?

George Junius Stinney Jr. nasceu em 21 de outubro de 1929 em Alcolu, na Carolina do Norte onde morava com seu pai Feorge Stinney, sua mãe Aime e seus irmãos John, Charles, Katherine e Aime. Seu pai trabalhava em uma serraria para garantir o sustento da família que morava em uma casa fornecida por seu patrão. A cidade de Alcolu era conhecida por ser uma pequena cidade de trabalho onde na área residencial a comunidade negra era obrigada a viver separada da comunidade branca devido as Leis de Jim Crow. Isto era algo típico de várias cidades do sul dos Estados Unidos onde haviam escolas, igrejas, hotéis e diversos locais que eram divididos por força da lei.


O crime

Foi em 23 de março de 1944 que duas meninas chamadas Betty June Binnicker (11 anos) e Maria Emma Thames (8 anos) estavam andando pela cidade de bicicleta enquanto procuravam flores. Foi neste momento que elas passaram pela casa da família de Stinney onde perguntaram ao jovem e sua irmã Katherine se eles sabiam onde encontrar as flores-da-paixão. Depois disto, as duas meninas não foram mais vistas, o que movimentou um grande grupo de busca com mais de 100 voluntários que, no final, encontraram as duas crianças na manhã seguinte em uma vala com água e lama. Elas foram mortas através de graves pancadas na cabeça.
Imediatamente Stinney foi preso e levado a interrogatório que foi realizado por inúmeros oficiais em uma sala trancada sem testemunhas. Após uma hora, Stinney teria confessado o crime dizendo que teria tentado abusar sexualmente de Betty enquanto ela buscada por flores e após perder a paciência quando a amiga menor tentou salva-la, Stinney teria batido em ambas com uma barra de ferro e as jogado em um buraco de lama. Segundo os policiais, o jovem teria matado as duas ao mesmo tempo ao rachar seus crânios. Já no dia seguinte foram feitas acusações de assassinato em primeiro grau contra o jovem, devido a acusação seu pai foi demitido e obrigado a se mudar para evitar represálias.

Contradições

Mais tarde, descobriu-se que a arma do crime – a dita barra de metal – teria mais de 9,7 kg enquanto Stinney seria um garotinho que pesava apenas 40 quilos e que seria incapaz de ter força suficiente para erguer a barra e assassinar as duas meninas ao mesmo tempo. Fora o fato dos policiais que teriam feito o interrogatório estarem apresentando informações conflitantes sem quaisquer evidências que corroborasse as histórias ditas.
O caso foi levado a julgamento no dia 24 de abril no tribunal do condado de Clarendon que começou às 12h30 e foi terminado às 17h30. O júri, composto apenas por homens brancos, precisou apenas de 10 minutos para julgar o jovem negro Stinney como culpado. O veredito? Morte na cadeira elétrica. O advogado de Stinney chamado Charles Plowden que foi apontado pelo estado não apresentou nenhum contra-argumento, não convocou testemunhas e muito menos recorreu a sentença em uma época onde pessoas com mais de 14 anos eram (e são até hoje) tratadas como adultas perante a lei.



A execução

A execução de George Stinney, o pequeno jovem negro de apenas 14 anos, ocorreu em 16 de junho de 1944. Ele foi levado ao complexo correcional de Colúmbia na Carolina do Sul onde às 19h30, caminhou até a cadeira elétrica com a Bíblia embaixo de seu braço. Como o equipamento não havia sido feito para ser usado em uma criança, ao ser atingido pela primeira onda de eletricidade de 2.400 volts a máscara usada na execução da criança caiu e expôs seu rosto sendo queimado. Foram necessários 4 minutos e três descargas elétricas para que o pequeno fosse considerado morto oficialmente.
Em 17 de dezembro de 2014, 70 anos após sua execução, a Justiça dos Estados Unidos por meio da juíza Carmen Mullen realizou a anulação da condenação de George Stinney porque “o Tribunal da Carolina do Sul falhou em garantir um julgamento justo em 1944”. Isso judicialmente torna Stinney apenas um suspeito devido a falta de um novo julgamento para provar ou não sua culpa. Já parou para pensar o quão cruel foi a justiça neste caso? Tirando a vida de uma pobre criança que tinha muito o que ver ainda por um crime que não haviam nem provas de que havia cometido? Triste, muito triste.

Arte

6 mistérios que cercam a obra Mona Lisa, de Leonardo da Vinci

14:04

Muita gente costuma dizer que “uma imagem vale por mil palavras” para explicar várias coisas do cotidiano. Embora isso seja verdade para a maioria das fotos, a pintura Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, tem confundido a compreensão e o imaginário de críticos de arte, historiadores e o próprio público por séculos!
Em exposição no Museu do Louvre, em Paris, essa obra de arte é muitas vezes apontada como a mais conhecida, a mais visitada, a mais divulgada e a mais mais parodiada do mundo. Como tal, uma investigação mais profunda sobre esse quadro, que retrata uma misteriosa mulher de características intrigantes, pode revelar muito mais do que aparenta.
A seguir, listamos, alguns mistérios que cercam o conceito e as características de Mona Lisa até hoje. Confira!

6. Quem é ela, afinal de contas?



A verdadeira identidade da mulher retratada nesta obra permanece sendo um aspecto misterioso até hoje. Ainda assim, a maioria dos pensadores acredita que ela seja Lisa Gherardini (também conhecida como Lisa del Giocondo), uma italiana nascida em Florença no ano de 1479. Acredita-se que seu retrato foi encomendado por seu marido, Francesco di Bartolomeo de Zanobi del Giocondo. Lisa Gherardini viveu uma vida de classe média com o marido trabalhando como comerciante de seda e tecidos. Ela teve cinco filhos: Piero, Andrea, Camilla, Giocondo e Marietta.
Por outro lado, existem outras hipóteses que sugerem que a mulher representada na pintura tem um rosto que combina com o de Caterina Sforza, Senhora de Ímola e Condessa de Forli. Já uma outra teoria propõe que a jovem seria uma amante de Juliano de Médici, o governante de Florença, ou Isabella d’Este, a marquesa de Mântua. Outros pensaram que a mulher é um retrato da mãe de Da Vinci ou até mesmo um autorretrato do próprio artista, devido à semelhança das estruturas faciais.

5. O intrigante sorriso de Mona Lisa

O sorriso enigmático e profundamente intrigante de Mona Lisa talvez seja um dos elementos mais misteriosos dessa pintura a óleo de Leonardo da Vinci. Durante cinco séculos, muito tem sido discutido se ela está sorrindo, se está feliz ou se está triste. A professora Margaret Livingstone, da Universidade de Harvard, sugere que as baixas frequências espaciais nas quais o retrato é pintado criam um sorriso marcante quando os espectadores olham diretamente nos olhos de Mona Lisa.
Com o desenvolvimento de certos programas de computador especializados em “reconhecimento de emoções” por pesquisadores holandeses, a pintura obteve um curioso resultado que apontou que Mona Lisa está 83% feliz, 9% repugnada, 6% com medo, 2% com raiva, menos de 1% neutra e 0% surpresa.
No entanto, muitos especialistas já disseram que seu sorriso muda de acordo com o local de onde você olha. Desse modo, ao olhá-la mais de perto, a sua expressão aparenta ser mais “recatada”, mas de longe, ela realmente parece estar sorrindo alegremente.

4. O misterioso olhar



Como é possível que o olhar de alguém representado em uma pintura pareça se estender além dos limites da obra, ainda que ele seja diretamente sustentado pelo espectador? É isso o que Mona Lisa consegue fazer, já que, não importa de onde a observe, ela sempre continuará a encará-lo olho no olho. No nosso mundo tridimensional, as sombras e a luz nas superfícies devem mudar de acordo com o nosso ponto de vista, mas isso não se correlaciona com uma superfície bidimensional.
Esse fenômeno óptico pode ser explicado por um entendimento científico descrito pela Universidade de Ohio, que mostra que uma imagem pode parecer exatamente a mesma, não importando o ângulo em que ela é vista. O mais curioso disso tudo é que Leonardo da Vinci, através da sua manipulação magistral do claro-escuro na tela, conseguiu criar uma sensação intensamente realista de profundidade na interação da sombra e da luz.
De fato, é exatamente essa ligação entre fenômeno ótico e habilidade artística que é a grande responsável por criar uma perspectiva ultrarrealista que confere à Mona Lisa o seu olhar inquietante.

3. Códigos secretos

Através da ampliação em alta resolução da pintura, o Comitê Nacional de Patrimônio Cultural da Itália revelou a presença de uma série de letras e números pintados em várias partes da tela. Ao observar o olho direito de Mona Lisa, o historiador de arte Silvano Vinceti descobriu a presença das letras “LV”, o acredita-se representar o próprio nome do artista, Leonardo da Vinci.
Já no olho esquerdo, os contornos não muito claros das letras “CE” ou até mesmo um possível “B” podem ser visualizados. A ponte no fundo apresenta o número “72” ou a letra “L” seguida por um “2”. No entanto, assim como as outras características dessa pintura, esses códigos ainda não possuem explicações concretas.

2. A questão envolvendo a ponte desconhecida



O plano de fundo por trás da cabeça de Mona Lisa é muitas vezes ofuscado pelo fascínio de seu rosto. Mas o fato é que a ponte de três arcos no fundo levanta uma grande questão sobre a localização exata da paisagem nebulosa e misteriosa.
A historiadora italiana Carla Glori sugere que a ponte sobre o ombro esquerdo da mulher é conhecida como Ponte Gobbo ou Ponte Vecchio, que fica situada em Bobbio, uma pequena vila em uma região montanhosa ao sul de Piacenza, no norte da Itália. A teoria de Glori segue a descoberta de Vinceti do número “72” secretamente escondido na ponte de pedra.
Ela propõe que o número é uma referência ao ano de 1472, quando ocorreu uma inundação desastrosa. Em seu livro “The Leonardo Enigma”, Glori teoriza que Leonardo adicionou o número 72 abaixo da ponte para registrar a data da inundação devastadora do rio Trebbia.

1. Mona Lisa poderia estar grávida?

Muitos historiadores da arte que acham que a mulher na obra de Da Vinci é Lisa del Giocondo também acreditam que ela estava grávida quando o artista italiano a pintou. Os braços cruzados sobre o estômago arredondado e a evidência histórica que sugere que del Giocondo estava grávida pela segunda vez, quando a pintura foi feita, perpetuou a ideia que Mona Lisa estava esperando um bebê.
Além disso, os exames de infravermelho indicam evidências de um tipo específico de véu sobre os seus ombros. Esse tipo de véu, feito de linho, era usado principalmente pelas mulheres grávidas. Alguns historiadores mais céticos afirmam que este véu poderia ser simplesmente um lenço ou pedaço de tecido pendurado sobre os ombros. No entanto, as mãos da Mona Lisa sobre o estômago e a cronologia historicamente precisa de sua gravidez sugerem que ela pode muito bem ter escondido a sua barriguinha de mamãe grávida.

Cultura

5 civilizações que desapareceram misteriosamente

13:52


Desaparecimentos em massa são extremamente bizarros, afinal, é surpreendente saber que grandes números de pessoas podem sumir repentinamente sem deixar vestígios e aparentemente por nenhuma razão. Às vezes, um avião cheio de passageiros desaparece para nunca mais ser visto, ou um navio fantasma aparece flutuando na água sem absolutamente nenhum sinal de sua tripulação. No entanto, embora casos assim sejam assustadores, eles nem chegam perto dos casos de desaparecimentos de civilizações inteiras.

Ao longo da história, cidades, impérios e civilizações relativamente grandes já desapareceram misteriosamente, fazendo com que os arqueólogos e pesquisadores de hoje em dia tentem refazer os passos de seus habitantes e reconstruam o que pode ter acontecido para ver se podemos encontrar uma causa e, mais importante, uma maneira de impedir que isso aconteça nas culturas atuais.
Pensando nisso, listamos aqui algumas civilizações que desapareceram misteriosamente sem deixar quaisquer vestígios, dando origem a várias especulações sobre o que realmente pode ter acontecido. Confira!

5. Civilização Minoica




O povo minoico constituiu uma antiga civilização que existiu entre 3000 e 1000 aC, muito antes da Idade de Ouro de Atenas e de Alexandre, o Grande. Acredita-se que a Civilização Minoica tinha uma cultura muito pagã, praticando sacrifícios de animais, queimando oferendas, tendo muitos cultos diferenciados e promovendo festivais selvagens de canto e dança. Mas o que realmente chama a atenção é o seu misterioso desaparecimento.
A teoria mais conhecida a respeito dessa sociedade sugere que os minoicos podem ter sido dizimados por uma erupção vulcânica nas ilhas de Santorini, perto de Creta. Heródoto, o famoso historiador grego, forneceu uma outra tese ao escrever que os minoicos foram dizimados por pragas e doenças. No entanto, não existe até hoje uma explicação totalmente fundamentada em comprovações.

4. Rapa Nui



Provavelmente a mais famosa das civilizações desaparecidas, o povo Rapa Nui foram os habitantes originais da Ilha de Páscoa, sendo os criadores das famosas estátuas de pedra. Ninguém sabe exatamente como o povo Rapa Nui original chegou lá e o mistério aumenta ainda com o seu misterioso desaparecimento.
A fome devido ao consumo excessivo de recursos naturais tem sido apontada como a principal culpada. Até mesmo a destruição do ecossistema da Ilha de Páscoa por ratos também já foi apontada como responsável pelo fim da sociedade.
Alguns pesquisadores também sugerem que os Rapa Nui podem ter viajado para uma outra ilha remota a milhares de quilômetros de distância com o objetivo de iniciar um novo assentamento. No fim das contas, a verdade pode muito bem ser uma combinação das várias explicações propostas.

3. Anasazi



A cultura Anasazi, do sudoeste da América do Norte, deixou para trás muitas estruturas e artefatos a serem encontrados após o seu misterioso desaparecimento. Talvez tenha sido o clima brutal da região que tornou as condições locais inabitáveis, mas o sumiço dessa civilização ainda é um grande mistério.
Estruturas maciças construídas nos penhascos foram deixadas totalmente abandonadas e chegaram a ser encontradas em condições relativamente primitivas. Acredita-se que essas estruturas habitacionais eram perfeitas para afastar intrusos, já que caso uma guerra fosse declarada, os Anasazi poderiam subir em suas construções, levantar as escadas e ficar vários andares acima das tribos invasoras.
Curiosamente, algumas tribos nativas americanas, assim como alguns estudiosos, afirmam que os Anasazi nunca desapareceram necessariamente. Eles sugerem que essa sociedade pode ter se dividido em facções menores que deram origem a novos grupos de pessoas, muito parecido com o que aconteceu com a Roma antiga. Desse modo, eles acreditam que certas tribos que sobrevivem nos dias atuais são descendentes diretos do povo Anasazi.

2. Império Khmer



Se formos analisar a linha do tempo da história, o desaparecimento do Império Khmer é um dos mais recentes a ocorrer. O império existiu entre 802 a 1431 no sudeste da Ásia, abrangendo a área que hoje corresponde a países como Tailândia, Camboja, Laos e Vietnã. O Império Khmer tinha uma cultura mista de budistas e hindus que se estabeleceram após séculos de guerra.
O Império Khmer construiu alguns dos mais surpreendentes templos e monumentos no Sudeste Asiático que estão de pé até hoje, muitos dos quais estão em condições quase perfeitas. Mas, assim como as outras civilizações desta lista, o Império Khmer também desapareceu misteriosamente. Alguns estudiosos sugerem que a migração do povo tailandês pode ter superado lentamente o povo Khmer, da mesma forma que as tribos germânicas se infiltraram lentamente na metade ocidental do Império Romano.
Outros culpam as constantes guerras com as quais os Khmer viviam diariamente. Alguns historiadores vão ainda mais além e apontam que possíveis mudanças nas condições climáticas podem ter alterado o acesso da sociedade à água da chuva, causando uma migração em massa. Ou seja, teses até existem, mas ninguém ainda sabe ao certo a razão por trás do sumiço do Império Khmer.

1. Olmecas


Os olmecas constituíram a primeira grande civilização mesoamericana e tinham uma cultura muito rica, embora um tanto bizarra e incomum. Sua proeminência durou de 1200 a 400 aC, com uma sociedade baseada em práticas religiosas sagradas para as quais eles construíram templos semelhantes a pirâmides. Muito parecido com o povo polinésio da ilha de Páscoa, eles também esculpiam cabeças de pedra maciças, algumas com até 3 metros de altura e pesando 8 toneladas!
Boa parte dessa cultura que viveu há muito tempo foi perdida com o tempo, de modo que nem sequer sabemos muito sobre a sua língua, embora acredita-se que “olmeca” é um termo que se traduz em algo como “pessoas de borracha”. Ainda mais interessante é o fato de que não existe um único traço que ajude a fornecer ideias sobre quem viveu ali, nem mesmo restos de ossos. As únicas coisas que puderam ser recuperadas foram alguns artefatos.
Acredita-se que os olmecas sumiram do cenário mundial por volta de 400 aC. Alguns sugerem que o clima insanamente úmido da Mesoamérica tenha sido a causa principal de tal sumiço. Mas, quanto às pessoas, à língua e à cultura, ainda não sabemos quase nada, o que é uma pena, pois a compreensão das características dessa sociedade poderia fornecer muitas informações importantes sobre a história da civilização humana como um todo. 

Para que serve o vodu?

10:31


Essa prática religiosa, que surgiu na África, consiste em agradar e louvar seres espirituais para obter pedidos como saúde, dinheiro e amor


Para pedir proteção, afastar inimigos, alcançar o amor ou o sucesso financeiro e profissional. O vodu é muito mais que um boneco com alfinetes espetados. Trata-se de uma prática religiosa, na qual os seguidores entram em contato com o mundo espiritual para pedir orientação e resolver problemas do dia a dia. Os rituais e os nomes dos deuses variam bastante, mas a essência é bem parecida com a do candomblé do Brasil. Isso porque essas crenças surgiram na mesma época e na mesma região da África: no século 4 a.C., na faixa de terra que hoje vai de Gana até a Nigéria. Com a migração forçada de escravos para as Américas, cada região desenvolveu variações da matriz africana.

Nos ritos africanos

Conheça os diferentes tipos de vodus e os rituais de oferenda que podem envolver matança e sangue
Mulheres no comando
As cerimônias de batizado, casamento e funeral são regidas por sacerdotisas. Assim como no candomblé, é comum as mulheres liderarem as casas e delegarem aos homens funções como tocar tambores
Mortos escravizados
Alguns sacerdotes, os bokors, podem trazer mortos de volta à vida como uma forma de punição. Eles desenterram o defunto e o invocam. O morto pode viver por dois dias para cumprir tarefas – desde matar alguém a ajudar em serviços (essa crença deu origem aos zumbis do cinema). Para que o defunto cumpra as tarefas, o sacerdote ameaça atormentar sua alma. Depois, o corpo do morto é queimado para que não se torne escravo de novo
Seres da força
Os seguidores do vodu acreditam na existência de voduns (ou loas) – seres espirituais. Eles representam as forças da natureza. Para fazer contato, é preciso agradar as entidades com alimentos ou bebidas (os despachos). Também é possível ter contato direto quando os voduns incorporam no corpo de médiuns
Louvor aos espíritos
Existem rituais específicos para cada tipo de loa e para diferentes objetivos: sucesso no trabalho, saúde, amor, proteção, vingança etc. Cada família louva seus próprios ancestrais. A homenagem pode envolver a construção de altares e até cerimônias com música e incorporação
Legumes ou sangue
Cada vodun recebe uma oferenda: pode ser um prato preparado com vegetais ou o sangue de algum animal.
Nesse caso, o fiel procura o sacerdote, que coordena o ritual para matar o bicho (galinhas, cabras, bodes e até bois) do jeito certo: cortando o pescoço e deixando o sangue correr sobre a comida ofertada. O animal sangra até morrer. O coração e o fígado servem de oferenda e o resto é aproveitado em almoços com a comunidade
Matança ao vivo
Durante as cerimônias, que costumam ser abertas à população, os médiuns são incorporados por espíritos, que conversam com as pessoas e recebem as oferendas. Em alguns casos, as entidades podem matar animais, mastigar a carne e tomar o sangue durante a celebração
Boneco espetado
Os famosos bonecos de vodu são como amuletos e atraem sorte, saúde, dinheiro, amor… Eles são decorados com diferentes cores, dependendo do pedido da pessoa, e devem ser colocados em uma estante dentro de casa. Diante dele, o fiel deve repetir seu pedido todos os dias. O boneco pode até ser usado para afastar alguém, mas espetar agulhas não faz ninguém sentir dor. A lenda foi disseminada pelo cinema e por quem não conhece a religião
Contato direto
Os espíritos que aparecem nos rituais dão recomedações para que a família consiga o que busca. Quando indicam que o filho tome um banho de ervas, por exemplo, é fundamental que ele cumpra – caso contrário, o pedido não se realiza e a tarefa será bem mais complicada na próxima vez
FONTES Livros Tell My Horse: Voodoo And Life in Haiti And Jamaica, de Zora Neale Hurston; The Voodoo Encyclopedia, de Jeffrey E. Anderson

Cinema

12 Melhores Atrizes de Hollywood (Era Classica)

13:25

A era de ouro de hollywood ainda é relembrada com muita saudade. É nesta saudosa era que a história do cinema ganha força e emplaca de vez. Esta era não é aclamada apenas pelos maravilhosos filmes lançados, mas também pelas atuações incríveis de muitos profissionais artistas da época e hoje aqui no Algumas Coisas vamos fazer um top 10 das melhores atrizes da era clássica de hollywood.  Lembrando que esta era começa em 1930 e termina com a decadência do clássico nos anos 60.


12 - Mary Pickford



Ela estava fazendo isso antes mesmo do cinema clássico. Sua carreira começou e decolou no cinema mudo. Além de atuar ela também posteriormente entrou na área de produção cinematográfica.
Começou sua carreira no teatro onde conseguiu chamar atenção de David Grifith. Fez mais de 200 filmes e maioria deles ainda no cinema mudo. Possuí apenas duas estatuetas do Oscar uma delas de melhor atriz por CounCourt em 1930 e uma honorária pelos seus trabalhos e influência no cinema.

11 - Marilyn Monroe 



Ela se destacou por sua vida pública, romances, carisma e sim seu talento. Durante sua carreira a atriz foi muito objetificada e subestimada. Sua carreira se limitou muito a comédia, mas se mostrou excelente no que fazia. Monroe já comprovou seu talento atuando em dramas e suspenses durante um tempo da sua carreira onde desejava mostrar que era capaz. O público não gostou muito e os grandes diretores acharamelhor a diva continuar com as comédias, mas ainda sim ela se solidificou como o maior nome de sua época imortalizando sua carreira e conquista sendo assim jamais esquecida. O Pecado Mora ao Lado e Os Homens Preferem as Loiras são suas obras mais lembradas.

10 - Sophia Loren


A italiana considerada a mulher mais sexy de seu tempo ostentava além das coxas grossas e belo corpo um talento incrível para atuar. Sophia pode ser considerada a última grande musa e diva do época de ouro de hollywood. Sua carreira tomou rumo depois de um concurso de beleza frustrado e a vontade de entrar para aulas de teatro. Depois de algumas peças ela foi chamada para o elenco de Quo Vadis com apenas 15 anos.  Ela brilhou em A Favorita e Aida, entretanto, foi em Nápoles que o sucesso bateu em sua porta e ela deslanchou. Nos anos 60 ela brilhou com sua aclamada atuação em Duas Mulheresonde ganhou seu oscar de melhor atriz e um canes de melhor atriz. A Queda do Império Romano e Casamento a Italiana são seus maiores sucessos comerciais.

9 - Audrey Hepburn


A britânica se destacou em a Princesa e o Plebeu e depois disso não quis parar mais. Com sua maneira leve e delicada de atuar conquistou inúmeras críticas positivas ao longo de sua ilustre carreira no cinema. Sabrina, Cinderela em Paris, Guerra e Paz, Bonequinha de Luxo, Minha Bela Dama e Charada são seus maiores sucessos.

8 - Vivien Leigh


Suas aparições no cinema foram relativamente poucas, mas marcantes o suficiente a ponto de ter vencido o Oscar de melhor atriz duas vezes: a primeira por interpretar Scarlett O'Hara no drama...E o Vento Levou, de 1939, e a segunda pela atuação em outro filme dramático, Uma rua chamada pecado, de 1951, onde interpretou o papel de Blanche DuBois, a mesma personagem a qual deu vida nos palcos do West End, em Londres. Viv frequentemente fazia colaborações com seu marido, o também ator, e diretor Laurence Olivier. Durante mais de trinta anos como atriz de teatro, ela se mostrou bastante versátil, interpretando desde heroínas das comédias de Noel Coward e George Bernard Shaw às personagens dos dramas clássicos de Shakespeare.

7 - Greta Garbo


De origem sueca Greta debutou no cinema mudo em um filme publicitário, mas em 1930 entrou deslanchou de vez nas telas se tornando uma lenda. Greta sempre foi muto misteriosa e sempre muito reservada, apesar de rumores de uma suposta relação lésbica co.m  Marlene Dietrich. Ela era tão popular que seu estilo reservado, simples, sútil e levemente masculinizado tornou-se tendência durante os anos 30.

6 - Marlene Dietrich 



A Alemã inciou sua carreira no show business e em palcos com stand up e logo passou para o teatro. Não demorou até que ela fosse chamada para os filmes mudos e em seguida estrelasse em hollywood. Com sua imagem exótica e glamourosa se reinventou diversas vezes na sua forma se atuar mostrando a sua versatilidade e talento. Desejo, Marrocos e o Expresso de Xangai são seus mais memoráveis trabalhos.

5 - Julie Andrews


Multitalentosa a britânica podia dançar, cantar, atuar, dirigir, declamar, escrever e compor e isso não é tudo é multipremiada também, possuí oscar, globo de ouro, emmy e grammy. Ela se destacou em seus musicais A Noviça Rebelde e Mary Popins. Começou sua carreira no teatro e foi indicada ao tony duas vezes. Versátil chegou a trabalhar com o mestre do suspense Alfred Hitcock.

4 - Elizabeth Taylor 


A audaciosa Liz Taylor iniciou sua carreira em 1940, mas foi nos anos 50 e 60 que sua popularidade chegou ao auge. Sua vida marcada por escândalos amorosos e invasão de paparazzis Liz chamava atenção pela forma expressiva de atuar. Cleópatra com certeza é seu maior sucesso. No seu tempo foi considerada a mulher mais bonita do mundo.

3 - Joan Crawford 


Joan começou sua carreira como dançarina viajando com companhias teatrais antes de estrear como corista na Broadway  e logo foi pro cinema mudo de lá disparou. Chegou a ser a atriz mais bem paga de Hollywood e esteve no topo da preferência dos diretores durante os anos 30. Nos anos 40 sua carreira atingiu limites em Alma em Suplício. Nos nos 5 viu sua carreira ir do céu ao chão e pensou que sua carreira estivesse acabada, mas conseguiu se reerguer em What Even to Happen to Baby Jane que revolucionou a história do cinema.


2 - Bette Davis



Nos anos 30 houve Bette Davis e isso era como ter Venus na terra. Reconhecida por seu estilo forte e intenso. Ganhou uma reputação de perfeccionista muito combativa, sendo que embates com executivos dos estúdios, diretores de cinema e outras estrelas eram frequentemente noticiados pela mídia. Viu sua carreira morrer na década de 50, mas What Even To Happen To Baby Jane salvou sua carreira que depois disso ainda ficou muito marcada e sendo um ícone da cultura pop. All About Eve, What Even To Happen To Baby Jane, Marked Woman, Of Human Bondage, Jezabel, Dangerous, The Latter, Hush Hush e The Walles of August (este de 1987) são seus maiores sucessos.

1 - Katherine hepburn


Sua carreira durou por mais de 60 anos e ela foi da comédia passando pelo drama e terror até chegar ganhou 4 vezes o oscar de melhor atriz e foi eleita a maior atriz de todos os tempos diversas vezes. Depois de fazer sucesso em Morning Glory ela fracassou em diversos filmes na década de 30, mas foi na década de 4 que ela absolutamente deslanchou e se tornou um fenômeno aclamado pelo pública e crítica em tudo que fazia.

Mais Lidas

Postagem em destaque

E Se Prety Little Liars Fosse Brasileira? (Versão Globo)

Já fizemos esse post aqui, porém no modo SBT (isso é, usando atores jovens do SBT) agora vamos fazer usando os da Globo.inc. Você já pensou...

Posts mais vistos