Os dez crimes estranho do Brasil (caso 3) Carandiru

17:42

Entrada da Casa de Detenção de São Paulo, o Carandiru. Multidão à espera de notícias. Fotografia: autor desconhecido.
Entrada da Casa de Detenção de São Paulo, o Carandiru. Multidão à espera de notícias. Fotografia: autor desconhecido.

No dia 2 de outubro de 1992, 111 presos foram covardemente assassinados na Casa de Detenção de São Paulo, o Carandiru. Sob o comando do Coronel Ubiratan Guimarães, a Tropa de Choque da Polícia Militar paulista invadiu o presídio e rapidamente encerrou a rebelião que lá vigorava. Todavia, a brutalidade exercida pela polícia desvirtuou a pacificação e o evento ficou mundialmente conhecido como o Massacre do Carandiru.

O massacre ocorreu no Pavilhão 9, onde costumavam ficar os presos mais novos, inexperientes e que aguardavam julgamento. Dizia-se que era o pavilhão onde se tinha mais chances de rebeliões irromperem, visto que grande parcela dos seus ocupantes eram jovens, violentos e indisciplinados. Ainda hoje não se sabe ao certo o que teria causado a rebelião no pavilhão. Acredita-se que uma briga banal durante uma partida de futebol tenha sido o estopim.
Tropa de Choque da Polícia Militar paulista entrando no complexo penitenciário do Carandiru. Fotografia: autor desconhecido.
Tropa de Choque da Polícia Militar paulista entrando no complexo penitenciário do Carandiru.
Fotografia: autor desconhecido.
Registro pericial acerca de parte dos mortos do pavilhão 9. Fotografia: Niels Andreas/Folhapress.
Registro pericial acerca de parte dos mortos do pavilhão 9. Fotografia: Niels Andreas/Folhapress.
O Coronel Ubiratan foi inicialmente condenado a 623 anos em 2001, mas conseguiu a absolvição em seu julgamento recursal em 2006. Porém, em 9 de setembro do mesmo ano, o ex-Coronel da Polícia Militar foi assassinado em seu apartamento. Sua então namorada, a advogada Carla Cepolina, foi acusada do homicídio, mas inocentada por falta de provas.
O ocorrido dentro dos corredores e celas do Carandiru gerou acalorados debates nos mais diversos setores da população brasileira, onde alguns se solidarizaram com a família dos mortos, ao passo que outros defenderam a armada policial e o Coronel Ubiratan, o qual se tornou político com o intrigante número “111”.
Em 2002, o completo penitenciário do Carandiru foi demolido.
Familiares e amigos dos detentos aguardando notícias durante a rebelião. Fotografia: Luiz Novaes/Folhapress.
Familiares e amigos dos detentos aguardando notícias durante a rebelião. Fotografia: Luiz Novaes/Folhapress.
O Coronel Ubiratan Guimarães prestando seu depoimento sobre o ocorrido no Pavilhão 9. Fotografia: Luiz Carlos Murauskas/Folhapress.
O Coronel Ubiratan Guimarães prestando seu depoimento sobre o ocorrido no Pavilhão 9.
Fotografia: Luiz Carlos Murauskas/Folhapress.
Vista panorâmica do completo penitenciário do Carandiru, 1992. Fotografia: Folhapress.
Vista panorâmica do completo penitenciário do Carandiru, 1992. Fotografia: Folhapress.
Parte dos pavilhões do Carandiru sendo implodidos, 2002. Toda parte do complexo penitenciário masculino foi ao chão. No seu lugar, uma grande área de lazer foi construída: parque, pista de skate, biblioteca, etc.. Fotografia: Angelo Perosa/Pool.
Parte dos pavilhões do Carandiru sendo implodidos, 2002. Toda parte do complexo penitenciário masculino foi ao chão. No seu lugar, uma grande área de lazer foi construída: parque, pista de skate, biblioteca, etc.. Fotografia: Angelo Perosa/Pool.

You Might Also Like

0 comentários

Mais Lidas

Postagem em destaque

E Se Prety Little Liars Fosse Brasileira? (Versão Globo)

Já fizemos esse post aqui, porém no modo SBT (isso é, usando atores jovens do SBT) agora vamos fazer usando os da Globo.inc. Você já pensou...

Posts mais vistos