10 álbuns feitos sob efeito de drogas

19:48

Maconha, cocaína, LSD, heroína e até crack... esse pessoal adorava ficar bem louco na hora de criar.


1) Titãs – Cabeça Dinossauro (1986)



“Usávamos pó e maconha como as pessoas tomam cerveja”, recordou o guitarrista Tony Bellotto em entrevista. A heroína foi algo passageiro, mas que causou a prisão (injusta) do vocalista Arnaldo Antunes. Tudo isso ajudou a formar o espírito combativo do álbum.


2) Korn – Korn (1994)



Enquanto os outros integrantes bebiam como se não houvesse amanhã, o vocalista Jonathan Davis era viciado em metanfetamina. A música “Ball Tongue” era sobre um amigo que, ao ficar sob os efeitos da droga, enrolava a língua como uma bola.

3) The Rolling Stones – Exile On Main St. (1972)



Enfurnados numa mansão na França, os Rolling Stones conseguiram parir talvez seu maior álbum em meio a uma rotina maluca: enquanto gravavam completamente chapados, as groupies e os traficantes festejavam na casa dia e noite.

4) Happy Mondays – …Yes Please! (1992)



Tentando curar o vício do vocalista Shaun Ryder em heroína, o empresário mandou a banda para gravar na ilha de Barbados, livre da droga. Lá, porém, eles descobriram o crack. As gravações foram desastrosas e, depois que voltou à Inglaterra, Ryder manteve as fitas como “reféns” até a gravadora lhe dar mais dinheiro para comprar drogas.


5) Klaxons – Surfing The Void (2010)



Boa parte das letras foi concebida sob o efeito do chá alucinógeno Ayahuasca. O vocalista Jaime Reynolds disse até ter enxergado a Visão de Ezekiel, uma passagem do Antigo Testamento: “havia uma bola brilhante no topo da escada, rodeada por bestas aladas. Fiquei entusiasmado”, descreveu ele.



6) The Libertines – The Libertines (2004)



O guitarrista Pete Doherty nunca escondeu seus hábitos. Viciado em heroína e crack, ele criou tensões que fizeram a banda acabar e voltar várias vezes. “Muita gente me dava ultimatos – eu ou as drogas – e eu não entendia, achava que estava só me divertindo”, disse o músico, hoje na reabilitação.

7) David Bowie – Station To Station (1976)


Magro e paranoico, Bowie vivia numa dieta à base de leite, pimenta e cocaína. Entre suas muitas pirações, ele acreditava que havia bruxas espreitando sua casa para roubar seu sêmen, gerar um bebê e oferecê-lo ao diabo.

8) The Doors – The Doors (1967)



Algumas semanas após lançar esse disco, os Doors foram a um programa de TV tocar “Light My Fire”. A produção queria que trocassem a palavra “higher” (“mais alto”, alusão ao efeito das drogas) por outra coisa. A banda fingiu que topou, mas, na hora, cantou a música do jeito certo, enquanto o produtor, na sala de controle, bloqueava os botões para que o sinal não fosse cortado.

9) The Beatles – Revolver (1966)


Bob Dylan já havia apresentado a maconha aos Beatles, mas foi durante uma festa que as bebidas de John Lennon e George Harrison foram secretamente “batizadas” com LSD pelo anfitrião. Foi um caminho sem volta: as músicas de amor bonitinhas foram dando lugar a sons psicodélicos e letras questionadoras.

10) Snoop Doggy Dog – Doggystyle (1993)


No começo dos anos 1990, a versão mais forte da maconha era chamada de “chronic”. Em Doggystyle, Snoopy declara: “eu prometo que vou fumar chronic até o dia em que eu morrer”
FONTES Livros Season of the Witch: How the Occult Saved Rock and Roll, de Peter Bebergal; Life, de Keith Richards, e Out of Our Heads: Rock ‘n’ Roll Before the Drugs Wore Off, de George Case; sites Metal Injection, NME, Reality Sandwich e The Independent

You Might Also Like

0 comentários

Mais Lidas

Postagem em destaque

E Se Prety Little Liars Fosse Brasileira? (Versão Globo)

Já fizemos esse post aqui, porém no modo SBT (isso é, usando atores jovens do SBT) agora vamos fazer usando os da Globo.inc. Você já pensou...

Posts mais vistos