Top 5: Melhores capas do mundo pop dos últimos anos

01:16


Vou confessar: esse post seria com as piores capas. Mas vamos celebrar a positividade e mostrar a beleza, né? Ah, e embora este seja um Top 5, as capas não estão em ordem de preferência.




“MDNA”

É até difícil escolher entre as últimas capas da rainha Madonna porque são quase todas lindas, mesmo as dos álbuns menos bons. Desde “American Life”, passando por “Confessions on a Dancefloor”, pulando a horrorosa de “Hard Candy” e chegando ao “MDNA”. Mas me obriguei a ser objetivo, e o “MDNA” tem sim a melhor capa. É simples, bonita e de bom gosto, além de valorizar a ideia mais eletrônica do álbum. É rainha, né.





“Prism”

Eu confesso que demorei a gostar da capa de “Prism”. Essa mania atual de colocar tudo numa moldura não me agrada muito, mas a Katy está seguindo uma linha visual bem característica com seus singles nessa fase e isso é interessante. Além disso, a capa do álbum será ainda mais linda na versão holográfica, ilustrando o nome do álbum com as cores do prisma.





“Unapologetic”

Rihanna tem seus momentos bons e ruins com capas, assim como costuma fazer álbuns alternadamente bons e ruins. O “Unapologetic” é um dos bons, e tem, para acompanhar, uma das capas mais bonitas da cantora, ainda que seja meio difícil de captar a princípio. A capa dialoga tanto com o lado mais vulnerável e íntimo do álbum quanto com as músicas mais agitadas.




“Bionic”

Outra que não costuma errar nas capas, mesmo quando estava mais gordinha, é a Christina Aguilera. Desde o “Stripped” foi uma capa atrás da outra cheias de conceito e visualmente bem bonitas, tirando a estranhíssima capa do greatest hits “Keeps Getting Better”. Mas a capa do “Bionic” é excepcionalmente chamativa e criativa: o rosto dividido entre um lado máquina de música e outro humano já prediz que o álbum está dividido da mesma forma: a primeira metade mais dançante e a segunda com músicas mais intimistas.





“In The Zone”

Que o “In The Zone” é o melhor álbum da Britney é um fato discutível entre os fãs. Mas que é uma das raras capas realmente bonitas e visualmente limpas da carreira da cantora, não tem muito como negar. Ao contrário da festa visual (ainda que bonita) de “Circus” peculiar mais interessante gosto do “Blackout”, a capa do “In The Zone” é sóbria, mas bonita e simples que todas as outras. Assim como o álbum, é totalmente diferente do resto da carreira de Britney: A jogada de focar apenas o rosto (muito usada por ela) deu muito certo nesta era. O  tom de azul deu uma beleza ímpar para a capa.

You Might Also Like

0 comentários

Mais Lidas

Postagem em destaque

E Se Prety Little Liars Fosse Brasileira? (Versão Globo)

Já fizemos esse post aqui, porém no modo SBT (isso é, usando atores jovens do SBT) agora vamos fazer usando os da Globo.inc. Você já pensou...

Posts mais vistos